Cultura, Arte e Tecnologia

O que você precisa entender sobre mobgrafia.

Nota da mObgraphia: Este artigo de Nettie Edwards, publicado originalmente aqui pelo X-Equals, reflete EXATAMENTE  nossa posição e crença desde que iniciamos nosso movimento em fins de 2012. Aliás, a história da Nettie é muito parecida com a dos fundadores da mOb, Cadu Lemos e Ricardo Rojas. Portanto, um artigo que nós adoraríamos ter escrito.

Foto da capa: William Praniski

Os telefones celulares muitas vezes têm uma má reputação entre os defensores ferrenhos das DSLR’s , mas para alguns é a única ferramenta necessária e uma muito poderosa!

Alguns anos atrás, meu irmão me ligou para pedir um pouco de aconselhamento. Ele estava atualizando seu celular e perguntou se eu poderia recomendar um com uma câmera decente.

Minha resposta foi, para dizer o mínimo, um pouco arrogante.

Eu tinha um telefone e eu tinha uma câmera DSLR, sendo que ambos cumpriam muito bem seu papel, então por que eu iria querer mistura-los? Por que diabos alguém faria isso?

Fotografia mobile (mobgrafia) não é como a fotografia de câmera.
Um rápido olhar no meu currículo indica que em algum ponto entre aquele momento e agora, eu deixei de ser uma ludita (avesso às inovações tecnológicas, incapaz até mesmo de usar o controle remoto da TV) do século 20 para o tipo de pessoa cuja defesa dos telefones com câmera pode fazer você querer evitar conversar comigo em festas.

O que aconteceu?

Bem, aqui está apenas um pouco da minha história:

Some years back, my brother called me to ask for a bit of advice. He was upgrading his cellphone and wondered if I could recommend one with a decent camera. My response was, to say the least, rather snotty. I had a phone and I had a DSLR camera, both of which did their jobs very well indeed, so why should I want to combine them? Why on Earth would ANYBODY?

 

Em novembro de 2009, eu  estava pensando em fazer um upgrade do meu telefone celular para um smartphone. Como um usuária de Mac, a compatibilidade do iPhone 3G era atraente para mim, e era exatemente isso que eu queria, nem imaginando que esta seria  uma daquelas decisões que mudam sua vida.

O iPhone 3G não tinha uma boa câmera, mas era a única que estava sempre comigo para que eu nunca mais perdesse uma oportunidade de capturar uma foto.

Além disso, porque era um telefone não uma câmera, eu me sentia menos esnobe ao usa-lo . Isso me levou a experimentar capturar imagens de uma forma divertida como eu nunca havia experimentado antes, jogando meu iPhone no ar ou buscando imagens em buracos no chão.

De repente, a fotografia parecia renovada, leve, divertida! Eu não me empolgava com isso desde que eu era uma adolescente e minha mãe me emprestou a Instamatic dela para uma viagem escolar que fiz para a França.

Mobile photography capiblities in a café setting. © Nettie Edwards © Nettie Edwards

Além disso, eu poderia tirar fotografias e edita-las em um dispositivo minúsculo, leve, em qualquer lugar: na fila do supermercado, no ônibus … até mesmo no banheiro … porque o meu iPhone já trazia embutido o recém-inaugurado App Store.

Era uma miscelânea de baixo custo de aplicativos de edição de fotos normalmente encontrada somente no caros softwares de tratamento de imagens, como o Photoshop.

Editing capibilities for mobil photography. © Nettie Edwards© Nettie Edwards

Durante as duas primeiras semanas usando o aparelho, eu estava possuída, fazendo todos os  downloads possíveis e experimentando com todos os aplicativos de edição e arte de fotos que eu podia encontrar.

Ter aplicativos que aplicavam filtros e efeitos especiais a uma fotografia que eu estava tirando, acrescentou uma dimensão fascinante para a criação de imagens.

Outras possibilidades intrigantes foram apresentadas por aplicativos com filtros aplicados após o clique. Com o toque ou varredura de um dedo pela tela minúscula do meu telefone, eu podia ajustar os níveis de luminosidade, saturação de cor, nitidez, blur, cropar (recortar), retocar, criar composições de fotos … aplicar um enorme gato na parte superior da cabeça da minha avó.

Poderia a edição de fotos ser realmente tão barata, fácil e portátil?

E aqui a mudança.

Sentindo-me certa de que eu estava fazendo parte de algo especial, não levou muito tempo para eu encostar minha câmera DSLR e meu computador para me tornar um membro comprometido do movimento Fotografia mobile.

Mobile photography can keep pace with DSLR photography ... if used correctly. © Nettie Edwards

© Nettie Edwards

Fotografia mobile não é  fotografia com câmera. Há uma relação diferente, não só com o dispositivo, mas com o assunto … há menos intrusão e mais intimidade.

Muitos fotógrafos dizem que produzem muito mais trabalhos pessoais significativos usando seus smartphones.

Como pode?

Será que é porque nossos smartphones tornaram-se parte importante de quem somos?

Muitas vezes, o nosso smartphone é a primeira coisa que nós olhamos de manhã, quando acordamos e a última coisa que olhamos à noite, quando vamos dormir, às vezes até acordando no meio da noite para ver o que está acontecendo e sem conseguir voltar a dormir.

O que  um monte de gente está fazendo com seus smartphones nessas horas? Checando as nossas contas no Instagram para ver se nossos amigos postaram fotos ou se alguém gostou e comentou sobre as nossas.

Instagram? Aquele lugar onde as pessoas postam fotos de seu jantar, gatinhos e a balada louca que foram no sábado à noite, certo?

image10Instagram is a planet-sized photographic conversation where everyone can talk with anyone about anything. © Nettie Edwards

© Nettie Edwards

Bem, sim … e não. A combinação de câmera e telefone nos levou a nos comunicarmos mais visualmente uns com os outros.  Instagram é uma conversa fotográfica do tamanho do planeta onde todos podem falar com ninguém sobre nada.

E esse é o seu valor único.

Fotógrafos conectam-se com outros fotógrafos, compartilham idéias, organizam exposições, promovem seu trabalho. Você sabia que muitas empresas, publicações, museus, galerias e seus curadores têm contas no Instagram?

Nos perfis de muitos deles fotógrafos e artistas são mostrados tendo a possibilidade de começar a ter seus trabalhos vistos por um público mais amplo.

É uma ferramenta que você poderia usar?

O que estou ouvindo você dizer?

“Ok Nettie, você está fazendo isso soar como muita diversão, eu posso ver que o smartphone pode ser útil para abrir uma conta no Instagram e a idéia de editar fotos em qualquer lugar, até no banheiro está tomando forma, mas você não é uma fotógrafa comercial , você é um daqueles tipos de artista que adoram fazer fotografias manchadas, borradas. Smartphones simplesmente não podem competir com câmeras high-end quando se trata de produzir a qualidade de imagem necessária para o trabalho comercial e editorial. ”
Eu não posso discordar do seu ponto de vista e nunca iria tentar persuadi-lo a desistir de suas câmeras, mas uma câmera e seus acessórios  nunca foram a imagem inteira e certamente não são agora. As câmeras em nossos telefones mudaram a paisagem fotográfica, como podemos vê-la, como nós viajamos através dela, e por quê.

Você está pronto para esta viagem? Se assim for, talvez seja melhor viajar leve.

Ok, vamos ouvir de outra pessoa:

Em seu artigo de 2013 “O envelhecimento da fotografia tradicional, por que tudo está sendo  reinventado de uma forma que não entendemos”, o fotógrafo profissional e autor Kirk Tuck desafia  seus leitores com uma chamada às armas:

“Minha geração está ocupada testando as “câmeras aspiracionais”, objetos de desejo, para ver o quanto perfeitas podem ser. E nós estamos perdendo terreno dia a dia para uma geração que percebe que todos devem “aproveitar o dia”, a fim de fazer sua arte enquanto está fresca.

Vivemos em uma época de produção de imagens conectadas, de contar histórias assim que acontecem, democraticamente, em tempo real. Será que este pensamento te incomoda ou te anima?

Resultado de imagem para mobile connected world

Os smartphones de hoje são ferramentas criativas sofisticadas, mas mesmo nos primeiros dias de desenvolvimento, apesar de numerosas limitações técnicas e detratores, havia fotógrafos profissionais considerando seriamente o potencial da Fotografia Mobile.

Se você ainda não fez isso, peço a você que saia para fotografar com o seu smartphone, talvez até baixar um ou dois aplicativos de fotos e experimenta-los. A maioria custa menos do que uma xícara de café e são muito fáceis de usar.

Isso pode não  mudar a sua vida [como fez com a minha], mas você pode descobrir uma aquisição muito útil para o seu kit de ferramentas fotográficas.

O que você está esperando? Vá em frente, pegue seu telefone!

Você sabe que você quer!

Nettie Edwards

Conheça seu trabalho aqui.

Resultado de imagem para nettie edwards

 

Esta entrada foi publicada em outubro 26, 2016 às 11:57 am e está arquivada sob Uncategorized. Guarde o link permanente. Seguir quaisquer comentários aqui com o feed RSS para este post.
%d blogueiros gostam disto: